8 de jan de 2012


Pedaços

(Poema Pra Gullar)

  
Um tanto de mim é clareza
Outro tanto breve escuridão
Um tanto de mim é leveza
Outro tanto olho de furacão.

Um tanto de mim é satânico
Outro tanto atabaque na mata
Um tanto de mim é orgânico
Outro tanto pôr-do-sol em lata

Um tanto de mim é ray-ban
Outro tanto fundo de garrafa
Um tanto de mim é ceia pagã
Outro tanto tainha na tarrafa

Um tanto de mim é dia imundo
Outro tanto uma noite distinta
Um tanto de mim é Pedro II
Outro tanto Joãozinho Trinta

Um tanto de mim é caótico
Outro tanto bull enérgico
Um tanto de mim é gótico
Outro tanto full lisérgico

Um tanto de mim é único
Outro tanto estrambólico
Um tanto de mim é lúdico
Outro tanto rio diabólico

Um tanto de mim é sem perdão
Outro tanto zen bumerangue
Um tanto de mim é peito de pavão
Outro tanto leito de mangue

Um tanto de mim é verso
Outro tanto pura alucinação
Um tanto de mim é disperso
Outro tanto presta atenção

Um tanto de mim é deserto
Outro tanto poça no chão
Um tanto de mim mora perto
Outro tanto habita Plutão

Um tanto de mim é vasto
Outro tanto lago raso
Um tanto de mim é casto
Outro tanto afago devasso

Um tanto de mim é mansidão
Outro tanto baba de raiva
Um tanto de mim é patativa
Outro tanto cativa no alçapão

Um tanto de mim dorme cedo
Outro tanto de manhã janta
Um tanto de mim caga e anda
Outro tanto se borra de medo

Um tanto de mim é vago hiato
Outro tanto contradiz o fato
Um tanto de mim é solilóquio
Outro tanto nariz de Pinóquio

Um tanto de mim é algodão
Outro tanto faca de açougue
Um tanto de mim é lassidão
Outro tanto lasca de azougue

Um tanto de mim é agosto
Outro tanto verão no mato
Um tanto de mim é aborto
Outro tanto gozo no quarto

Um tanto de mim é dândi
Outro tanto veste Ghandi
Um tanto de mim é rompante
Outro tanto abrupto calmante

Um tanto de mim é profusão
Outro tanto tosca confusão
Um tanto de mim é pena agrária
Outro tanto execução sumária

Um tanto de mim é plebeu
Outro tanto o ouro de Deus
Um tanto de mim abre portas
Outro tanto se fecha em copas

Um tanto de mim é lisonjeiro
Outro tanto punhal às costas
Um tanto de mim é por inteiro
Outro tanto se serve em postas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sons do Vale!